Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

BOCA-DE-FORNO



- Boca de forno?
- Booolo!
- Jacarandá?
- Dááá!
- Quando eu mandá?
-Vooou!
-Mando e remando a quem for
tomar a bênça a vovó.

E a turma corria,
cada qual e cada qual
querendo chegar primeiro:
- Bênça, vovó.
- Bênça, vovó.
- Bênça, vovó.
- Deus abençoe, Deus abençoe,
Deus abençoe a todo mundo.
Virge Maria, que é minino!

E a turma voava de volta,
cada qual e cada qual
querendo chegar primeiro:

Ai, brinquedos de criança!
Ai, vovó que já morreu!
Tantos anos, tantos anos
e o tempo mal percebeu!
 
Ai, vovó fazia doce
de coco, de melancia
pra que fossem todo dia
por muitas vezes no dia,
netos, bisnetos, trinetos,
à sua casa de taipa,
piso de barro batido...

- Vó,
Conte histórias de outros tempos,
quando você foi menina!
E vovó contando histórias,
a gente em pouco dormia.

A história se repetia
na noite do outro dia.
Crianças iam de noite,
todo dia, todo dia
para a casa da vovó
ao doce de melancia.

Vovó cobrava um tostão
em cada prato de doce.
E que prato, que pratão!
(fora os que dava de graça!)
- Pra que dinheiro, vovó?
- Comprar açúcar, meu neto!

Nunca vi vovó zangada...
Não me lembra, não me lembra.
se algum dia se zangou.
Vovó chorar, isto eu via.
Algumas vezes vovó
resmungava, lamentava...
cantarolando baixinho!
- Qui tem vovó, qué qui tem?
- Tenho saudade, meu neto,
dos tempos que eu era moça,
dos tempos que era menina!

Vovó chorava baixinho,
fazendo rendas e bicos
para vender a tostão.
- Pra que dinheiro, vovó?
- Pra comprar linha, meu neto!

Ai, vovó, que é da vovó?
Ai, que é dos tempos de outrora.
quando eu era pequenino,
comia doce de coco
e doce de melancia,
um prato por um tostão
e ainda enganava vovó?!
Ai, que é dos tempos passados?
Boca de forno,
Galinha gorda...
- Galinha gorda?
- d´água ééé!
E tibungo, no fundo do rio!

Jogar castanha ao bitelo...
- Ganhei!
- Não, eu ganhei!
E lá vai um pega-pega,
um bolo de fim de mundo!

 Se a gente voltasse um dia
a ser criança outra vez...
Mesmos pais e mesma avó,
mesmos brinquedos de pobre
na mesma terra natal!
Mesmos tempos do tostão!

Oh, brinquedos de criança!
Oh, vovó que já morreu!
Tantos anos, tantos anos...
e o tempo mal percebeu!
 
(Do livro - Sonhos de João)
João Justiniano
Enviado por João Justiniano em 22/02/2006
Código do texto: T115013

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Ex: cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
João Justiniano
Salvador - Bahia - Brasil, 96 anos
619 textos (19611 leituras)
13 e-livros (1027 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 17:08)
João Justiniano