Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema 0601 - Vulto da noite




Em uma noite qualquer,
ela saiu das sombras,
um vulto negro
em um corpo de mulher,
a madrugada ia alta.


No bar ao longe uma música,
bêbados perdidos nas esquinas
e eu, solidão,
não era noite, nem inverno,
era amor que meu corpo reclamava.


Parei sobre meus pés inchados,
suas luvas pretas tocaram meu rosto,
os lábios negros tocaram os meus,
com os olhos sorrindo
lambeu minha loucura e se foi.


Joguei minha tristeza na calçada,
molhei de paixão meu andar, segui,
segui, segui aquele vulto,
enquanto fugia da minha alma negra
vestia de branco meu destino.


Éramos noite e mais nada,
eu e aquele amor bandido,
dei nomes as tristes ruas que andei,
aos corpos que me enjeitaram,
de novo amei, me fiz dia e caminhei.


22/02/2006
Caio Lucas
Enviado por Caio Lucas em 22/02/2006
Código do texto: T115086
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Caio Lucas
São Paulo - São Paulo - Brasil, 68 anos
4429 textos (116252 leituras)
1 e-livros (166 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 08:49)
Caio Lucas