Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Convite


Sou flor prisioneira
da vida sem amor
eterna passageira
num embate de dor.

Sou flor que esconde
uma ânsia incontida
nem vejo por onde
alegrar minha vida.

Minha alma vagueia
em noites vazias
o olhar serpenteia
em vagas fantasias.

Sou triste sem toque,
de afeto e carinho,
sonhando a reboque,
construir novo ninho.

Sou pele macia e lisa
onde falta o viril afago
sou serpente que desliza
no chão ainda amargo.

Minha boca sempre seca
esqueceu do beijo o sabor
na angústia que resseca
gozos da vida, o sol amor

Sou uma praia sem areia
sou a onda que se perdeu
nas noites de lua cheia
no mar agitado feneceu.

Sou uma rosa desbotada
com espinhos a sangrar
sou orvalho na madrugada
de lágrimas a derramar

sou sereia sem o canto
que da solidão padece
ninguem ouve o pranto
de um coração em prece.

Sou mulher pela metade
de ninho há muito vazio
em busca da amizade
que me afaste do frio

Sou como rio de ilusões
deixadas sós ao relento,
em desveladas pretensões
que nem mais alimento.

Nem a santidade profana
nem a nudez castigada
nem a alma que inflama
uma vida já apagada

Sou ponto que interroga
algum dia serei amada?
sou um ser que derroga
a esperança malograda.

Num convite encantador
encontrei algo que buscava
promessa de muito amor
era tudo que eu precisava!

Santos, SP
09/02/06
8:39 hs.

-0-0-0-


Guida Linhares
Enviado por Guida Linhares em 27/02/2006
Reeditado em 10/03/2006
Código do texto: T116571
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Guida Linhares
Santos - São Paulo - Brasil, 70 anos
1939 textos (158425 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 12:02)
Guida Linhares

Site do Escritor