Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Nado livre

sinto frio
o mesmo de sempre
sento-me so zinho e longínquo
esperei tanto tempo a borboleta
na sombra
(quero-te tanto)
disse para comigo:
nunca é tarde demais!
tenho a impressâo que vai chover
preciso fazer algo!
estou morto por fazer algo:
sambar
correr o risco de fumar a vida
andar em bicos de pé
com a pretexto de dizer o silêncio
encolher os ombros
vivar o carro
e vivar-se para...
só mesmo a horizonte
e a miragem.

o milagre?:
nâo sei do paradeiro dele.
ele está para chegar

"pare,escute olhe"
a borboleta
a que vejo
é noutra parte
exposta ao sol
vestida de sunga
passa o creme bronzeador pelos braços
e canta em voz baixa:
do ré mi
mi ré do..

já nâo sei o que fazer...
si tiver tempo,
escrivo..
o afresco inteiro
sobre "Borboleta".
01/03/2006
Yo
Enviado por Yo em 02/03/2006
Código do texto: T117680
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Yo
Tunísia, 59 anos
25 textos (1609 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 16:18)
Yo