Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema 0616 - Café e amor




Hoje não tenho medo, coloquei tudo em cima da mesa,
misturei o café com minha ansiedade de tocar-te logo,
calei muitas vezes quando sonhei ali na sua frente,
fui por dentro dos teus olhos, até hoje não estou refeito.


Andei rápido pelo corredor iluminado, o beijo ficou na boca,
foi um roubado e todos os outros que consegui pegar,
não falei tudo que um dia ensaiei pra esta hora,
disse que posso amar, que amo, me enrolei com teu corpo.


Abri a porta e as roupas ficaram jogadas pelo chão,
mal cheguei e o meu abraço rodeou teu corpo quente,
fingi estar calmo, mas nunca fui capaz de disfarçar,
era minha festa, meu amor quer a alegria tranqüila.


Beijei tua boca como se tirássemos uma foto pro calendário,
o corpo queimou inteiro, calada, não mexeu um dedo,
as línguas foram e voltaram chamando para o amor,
precisava carregá-la pra algum lugar que não conhece.


Abri as portas do teu corpo e invadi como se fosse dono,
insano, mas era assim que sonhávamos por noites seguidas,
toquei teus sentimentos por dentro molhando-a de paixão,
voltei mais vezes e nos olhos mostravam o mesmo brilho.


Repartimos pedaços de nós, colamos pedaços de antes,
voltamos ao corredor da vida e andamos de mãos grudadas,
afastamos a saudade e todo os outros tormentos,
voltamos a mesma mesa que nos conhecemos e ao mesmo café.


08/03/2006
Caio Lucas
Enviado por Caio Lucas em 08/03/2006
Código do texto: T120307
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Caio Lucas
São Paulo - São Paulo - Brasil, 68 anos
4429 textos (116251 leituras)
1 e-livros (166 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 17:22)
Caio Lucas