Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Bolha de Orvalho

Bolha de Orvalho

Na fluida metamorfose das quimeras
Atomizados orvalhos de ilusões ficaram
Ceifados por fugazes opções
Em pardo crepúsculo
Deixei de banhar-me de emoções tão belas

Felicidade sutil momento
Tão minúscula, pobrezinha
Áurea ao mesmo tempo
Pueril, doce e sensual fragilmente

Que dias e noites tão intensas
Só na arquitetura do pensamento
Imperceptível, profundo e veloz
Alimentou-me dentro as rígidas células
Rejuvenesceu-me senti-me bela

Brotou também fora o sorriso
Há muito implodido em traspassado peito
Agora só, absorta em dúvidas
Rejeitada na inadequação ao tempo
Na perplexidade dos desafetos
Novamente os músculos se enrijecem
Nostalgia e solidão invadem-me

Viver? Morrer? Terrível dualismo se combatem
Sem mais lágrimas nos olhos
À contemplar o que não alcanço

Solto tudo ao ar
Poeira de confete e serpentina
Qual dia trôpego e arrependido
De desvarios nunca cometidos

Tento diluir fetichizando os fatos
Dissipando, fugindo alada
Torno a atmosfera asfixiante
Subtraio-me quase evaporada
Resguardando-me trêmula da neblina
Temendo outros desenganos
Medo da febre latente, voraz
Abrazar-me como outrora novamente
Força extra-terrena, paixão tamanha
Fogo fátuo, relíquias de sonhos
Desça das nuvens, aterrize
Ressuscitando-me numa outra primavera.


maria do socorro cardoso xavier
Enviado por maria do socorro cardoso xavier em 12/03/2006
Código do texto: T121991
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
maria do socorro cardoso xavier
Campina Grande - Paraíba - Brasil
317 textos (22490 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 01:25)
maria do socorro cardoso xavier