Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema 0623 - Ano todo




Hoje deveria ser janeiro ou até dezembro,
ano passado disse a mesma coisa dos meses,
não reviro mais aqueles meus fantasmas,
estão perfeitos meus dias,
estou vivendo...


Quem sabe fevereiro é mais,
mais em tudo que desejo,
em sonhos que ainda estão por vir,
em passos que darei na direção do sol
ou a caminho da minha lua preferida.


Quero um banho nas chuvas de março,
lavar minha alma impura tanto que...
Não confesso meus pecados faz tempo,
são tão pequenos deslizes de amor,
talvez faça um dia, em um ano qualquer.


Estou em abril, é um novo começo, a porta,
é um desejo intenso que me invade,
não quero presente, sou presente,
a vida é companheira,
como o calor deste amor que tenho.


Feliz não é só uma palavra escrita,
tenho um sorriso em maio,
um presente do ano de meu aniversário,
as tristezas fora, todas,
quero comemorar meu futuro ainda hoje.


Existem dias parecidos, pessoas iguais,
Junho, julho, também, completamente diferentes,
volto a crer, volto a rezar, é meio caminho.
Preciso não esquecer as noites, os escuros,
meio tudo, meio ano, meio amor, meio eu.


Agosto, medo do desconhecido,
dia 13 me apresentei ao amor,
recordei vagamente tempos outros,
lá nos meus antepassados dias
ela já era amante que perdi, não sei onde.


Na minha vida é setembro ano inteiro,
uma primavera de flores, de cores,
as faces ganham vida e a vida amores,
no abraço, no acasalo das criaturas.
Que se dane, faça amor dia a dia, ano e ano.


Aparecida, mãe de outubro,
minha santa de fé,
sou ainda menino nas orações.
O amante que regressa nas noites
em um voltar que caminha lento ao fim.


Os meses estão me cansado, a rotina quase mata,
é novembro, preciso de mais abraços, beijos,
o prazer misturado aos desejos que queimam a pele,
meu nu no seu nu apaixonado,
não apenas um dia, não mudarei, ainda sou poeta.


Hoje deveria ser dezembro ou até janeiro,
ano passado disse a mesma coisa dos dias,
não é difícil amar, o sol não termina com a noite,
o abraço não vai do corpo que se afasta,
continuo até acertar meu calendário com Deus.


13/03/2006

Caio Lucas
Enviado por Caio Lucas em 13/03/2006
Código do texto: T122559
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Caio Lucas
São Paulo - São Paulo - Brasil, 68 anos
4429 textos (116248 leituras)
1 e-livros (166 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 06:33)
Caio Lucas