Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema 0624 - Louco, louco




Quiseram-me louco, sou louco,
carrego comigo o vento da saudade,
a lua que roubei noite passada,
foi por amor, o que tenho por ti.


Dias iguais me perseguem,
desenho noites e sol depois das horas,
apaixono-me a cada lembrança dela,
parece que virou estrela no meu céu.


Carrego ainda algumas cruzes pesadas do passado,
quantas vezes amanheci no teu corpo,
poderia ser sonho ou só sono depois do amor,
minha realidade está muito perto da loucura.


Parei aqui neste pedaço de horizonte,
amo cada coisa, cada frio, cada quente,
vez ou outra me ama, mas prefiro amar-te,
corro o mundo até que chegue perto, boca a boca.


Esqueci velhos costumes, agora são os mesmos,
nada muito triste, nada muito feio,
tenho fome de futuro, de amor de amante,
não confesso minha paixão, não sem teu ouvido.


Forjo minha loucura para ti amor,
arrasto minha saliva desenhando teu retrato,
em teu corpo nunca é noite, nunca é dia,
és o giro que a paixão dá em minha vida.


Vejam bem os olhos de um louco, são grandes,
enxergam atrás d'outros, por cima d'alma.
Leia minha pele quente e saberás que te amo,
depois, deixa minha fome cuidar deste prazer.


14/03/2006
Caio Lucas
Enviado por Caio Lucas em 14/03/2006
Código do texto: T123010
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Caio Lucas
São Paulo - São Paulo - Brasil, 68 anos
4429 textos (116248 leituras)
1 e-livros (166 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 10:40)
Caio Lucas