Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Não há de ser nada

E quando as manhãs chegarem frias
E o escuro da noite parecer persistir
Não há de ser nada
Porque a noite é só uma pausa
E o vento frio, repentina falta
Que você me faz

E quando no passar das horas... do dia...
Só as lembranças de ti me servirem de companhia
Sei que não há de ser nada
Porque esse amor é sentimento que cala
A solidão gris que outrora existia

E quando a saudade sufocar meu sossego
E eu chegar a sentir em mim o teu cheiro
Bem sei que não há de ser nada
Que o nosso amor não retrate...
Que o nosso desejo não supere...
Que o nosso querer bem não apague...
O tempo que longe ficamos um do outro

(...)

E todas as formas de distância
Que possam ameaçar desfigurar o que desenhamos
Eu bem sei que não há de ser nada
Que abale o alicerce de flores perfumadas
Que aos poucos em nossas almas foram plantadas
Porque também sei que esse amor bem-querer
Não há de ser nada... a se temer
E há de ser tudo...entre eu e você.

Amanda Ribeiro
Enviado por Amanda Ribeiro em 28/03/2006
Código do texto: T130188
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Amanda Ribeiro
Santa Maria - Distrito Federal - Brasil, 33 anos
90 textos (8458 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 20:33)
Amanda Ribeiro