Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

REGRESSO - Sandra Bernardelli...DUETO...NADA MAIS QUERO..Wilson de O.Carvalho

Ah! Por que mentiste para mim?

Quanto tempo achava que enganaria um coração,

um sentimento verdadeiro...


Talvez,não seja tão culpado,talvez

não mentiste ...

Mas sim, esse meu bobo coração que colocou a venda em meus olhos,

trancou minha razão para que eu não tivesse

certeza do que eu já sabia.


Mas os sonhos, respostas e a minha intuição revelou-me tudo

o que meu coração não queria que eu  soubesse.

Não o  culpo e  nem você tão pouco...


Ah! Coração porque me fizeste

chorar a dor desse amor que perdida há muito tempo estava...

Não tenha pena de mim,

nem derrubes nenhuma lágrima

pois, sou consciente que cada um escolhe seu caminho,

seu destino...


Choro por você amado meu,

porque meu coração sabe quantas lutas

ainda terás que carregar...

Conscientizo-me de tudo, e parto da sua vida deixando-te

com quem a vida escolheu dividir.


Eu me liberto mesmo com o peito dolorido e sofrido,

você se liberta atrás da felicidade que escolheu para ti.

Tudo foram as amarras, correntes do passado que hoje

se desfaz...

Tens o livre-arbítrio...


O desenlace terreno se desfaz, ficando apenas o enlace

espiritual, que novamente regressa de onde partiu

na espera de um novo reencontro,

que hoje já se perdeu.



Tranco a porta do meu coração,

com o amor que somente a ti dediquei...

Um amor que é puro, é verdadeiro, é genuíno,

 onde por tanto tempo ficou.

Se  eu abrirei algum dia não sei...


Estou partindo, deixando para trás tudo que sonhei,

esquecendo o que eu idealizei...



Que pena que você se calou!


Minha vida continua, e faço dela um recomeço...

Como, por onde começar?

Não sei...

Sei apenas que vou recomeçar...




NADA MAIS QUERO


Com toda força que dispunha,

empenhei-me para

que este amor

não terminasse,

para que nada de nós

fosse perdido

ao longo desta jornada.



Com desvelo

tentei transformar nossas vidas,

para poder extirpar

as coisas ruins,

evitando assim

a aproximação da cruel aflição.

Fútil a minha pretensão...




E foi assim

e assim tem acontecido,

noites sem fim

completamente vazias,

nada existindo a não ser

um festival de nostalgias.



Entreguei-me

na miragem de teus abraços,

e desatento esqueci até de mim.

Por fim tornei-me um

viajante perdido no tempo,

tempo pertinaz mas,

de ninguém..



Que tolo fui,

pensei que fosse eterno

o que nos unia,

assim como o meu

perpétuo agora,

que grita que nunca

esquecerei de ti.



Atente,

esta foi a forma

que encontrei

para expressar com

a simplicidade de minhas palavras,

que te amo...



Contudo,

nada pode impedir

que eu seja sufocado

pela saudade.

Não consigo dissipar

este desejo, esta vontade

que tenho de você

por lhe querer,

mas, nunca estás...



Por favor, não me deixe

mesmo que seja

somente em sonhos,

nada mais peço,

nada mais quero...

 
               

                           



















































 
   
 

 
   
 














 




 








       


Wil
Enviado por Wil em 01/04/2006
Código do texto: T131918
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Wil
São Paulo - São Paulo - Brasil, 81 anos
2623 textos (84619 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 09:19)
Wil