Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Retorno

Comporto-me, hoje, feito águas de rio sem margem
que invadem territórios estranhos;
descontrolado por sentimentos sem tamanhos
que os sábios denominam de alegria; os homens, de bobagem.

Vejo-me, no meio deste caudaloso rio,
por tamanha força de indomáveis correntezas, levado;
touxeste-me lúdicas emoções em que afogado
sinto-me, e morto quase, por um fio.

E este comportamento insólito,
é de teu regresso, decorrente.
Fizeste-me agora tão contente
que a mim não me contenho, hilário!

Tu és, a um só tempo,
deste lugar, o atavio;
quase sombra, um ícone fugidio
a transcender meu pensamento.

Agora que te tenho mui próximo a mim,
feito ininterrupto coito pagão, o regozijo
suplanta-me; corpo meu humílimo e exangue alijo,
resplandecem-se-me espírito e alma de querubim.

Coroado de saudade e amores,
meu coração recepciona-te ninfa dadivosa;
adorno-te de poesia e flores,
pois que minha boca exsicada, fez-me sem prosa.
Cid Rodrigues Rubelita
Enviado por Cid Rodrigues Rubelita em 11/04/2006
Código do texto: T137358
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cid Rodrigues Rubelita
Curitiba - Paraná - Brasil
146 textos (4844 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 18:01)
Cid Rodrigues Rubelita