Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Tão perto, tão longe!

Estou vivendo nas extremidades:
se os olhos meus fecho
tenho-te tão perto,

mas se os abro, no semblante
tenho-te tão distante
que o tempo torna-se eternidade.

Aí envolvida no labor
com o rumo que futuramente
preparas para tua vida

não percebes minha querida
que os dias presentes
carecem tanto de amor.

Aqui sendo devorado
pelos afazeres do cotidiano
nem noto que a vida esvai na cronologia

deste tempo que escapa apressado;
jogo meu viver no abandono
pois que postergo a existência pra outro dia.

Tão longe, tão perto!
separados tão somente
por ambições, quase cobiças

que, feito areia movediça,
de infindável deserto
cegam a visão afetiva da gente.
Cid Rodrigues Rubelita
Enviado por Cid Rodrigues Rubelita em 11/04/2006
Código do texto: T137360
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cid Rodrigues Rubelita
Curitiba - Paraná - Brasil
146 textos (4844 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 19:53)
Cid Rodrigues Rubelita