Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Predestinação!!

Predestinação
       
       
De repente fiquei com minhas saudades
Deixando para trás minha vida de recordação
Rolei escada abaixo todos os momentos
De amor, ternura e de sentimentos
Que eu abraçava, que sorria e que vivia
Eterna ilusão dos minutos da minha paixão
Caindo por terra aquilo de mais precioso
Ficando só lumes apagados de desilusão
E entre as cruzes e espadas, caí no chão...
 
Pensei que fosse brincadeira, o que acontecia
De novo era a vida me passando rasteira
Que vinha vindo na calada da noite, sorrateira
E eu acreditava naquele amor que me realizava
E tome de esperar o que o destino me ofertava
Caí de cara no chão na tristeza que brotava...
 
Predestinada vida que em mim se apresentava
Não uma só vez, inúmeras maneiras escolhia
Toda fingida era a emoção que ela me trazia
Eram falsas promessas, sonhos sonhados à beça
E eu no meu patamar de janelas de esperas
Ansiava que seriam louros as imagens que surgiam...
 
Uma escadaria que eu subia ao céu só para mostrar
Ao meu coração que era feliz dentro da minha solidão
Mais subia, mais estava caindo, escorregando
Até no degrau do rés do chão, me esparramando
Relutante por sentir que estava de novo me acabando
Fingia momentos que jamais sentiria chegando...
 
Naquela escadaria eu via e sentia você à minha espera
Os sonhos rolavam na minha cabeça e eu me embriagava
De esperanças enlouquecedoras que me abraçavam
Eram visões de uma tresloucada em que no coração moravam
As minhas tão esperadas janelas de esperas  a me convidar
A ficar e esperar o seu amor que viria mesmo me buscar...
 
Já trilhei matas com espinhos, pedras afiadas
Que escolheram para na minha jornada passar
Com ansiedade e demais ilusão sentia que seria
Uma possível passada em trechos só pra me testar
E continuava no meu amanhã a esperar e acreditar
Que seriam só de atalhos um cansativo caminhar...
 
Escada ladeadinha de flores de todas as cores
Jorrando convites de perfumes embriagadores
Mas eram só apenas inocentes flores que se abriam
Para se apresentarem ditosas, nos degraus  mais cheirosas
Dengosas flores me chamavam e convidavam
A só sentir seu esplendor nas flores dos tais amores...
 
Desço chorando, em tristezas me acabando
Entalada por mais uma predestinada emoção
Que na maldade faziam emergir do meu coração
Estou muito consolada agora, quem sabe amanhã
Outras escadas, outras flores, outras emoções
Venham em meu socorro testar outras sensações...
 
Myriam Peres
 
Myriam Peres
Enviado por Myriam Peres em 11/04/2006
Código do texto: T137465
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Myriam Peres
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 86 anos
473 textos (54615 leituras)
5 e-livros (275 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 01:26)
Myriam Peres