Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Compasso do Tempo

Por que vejo uma nascente em toda solidão? Assim como
um deserto que esconde em seu ventre um veio de águas cristalinas, seria a dor uma mascara que se impõe ante
o medo da descoberta? O sofrimento um teatro de mario-
netes, que conta a estória em vez da história? Ou seria árida a paixão a cravar a mina, tão alheia a luz natu-
ral? Não encontro mais o pó da existência, nem absorvo
sua efêmera essência. Muito menos a paz que compõe um madrigal. Então me cubro pela desobediência enamorada,
o julgo de uma força inconcebível, a força da liberdade poética e ouço essas vozes, esse canto insistente que
me faz recriar um horizonte perdido. Nesta dimensão do mutável, do inevitável não consigo encontrar o espaço
para descansar meu cansaço. E num acorde desafinado, desregrado. Clamo-te ... Amor!
Jose Carlos Cavalcante
Enviado por Jose Carlos Cavalcante em 18/04/2006
Código do texto: T141191
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jose Carlos Cavalcante
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 56 anos
730 textos (54083 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 11:11)
Jose Carlos Cavalcante