Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A morte do poeta!

Agonizante e lenta,
a morte deste poeta,
se apressa quando teus olhos entristecem,
quando a sua voz se cala!
A poesia que percebia,
em cada instante de minha vida,
não são percebidas,
pelos meus olhos embaçados,
por tantas lágrimas insistentes!
A percepção de meus sentidos
enfim assim comprometida,
não falam de alegrias,
não veem belezas de flores,
são mais ecos de dores,
que me assolam o peito e a alma,
quando me negas o olhar...
Quando me viras o rosto,
quando não me encaras!
Agonizo lentamente,
ante seus murmurios inaudiveis...
Ante teus atos inseguros, titubeantes,
atos que me dizem:
Estas ante mim, mas ausente!
Tens medos inconfessos,
um universo de medos...
O que é de meus abraços,
o que é de meus beijos?
Que nem te trazem alento!
O que é de meu amor,
que não lança luz sobre teus pesadelos?
O que é de minha presença,
que sentes distância e desalento?
Senão a morte lenta e agonizante do poeta!
Que não consegue tecer e nem viver
o amor, em nossas vidas,
outrora poesia em nossas histórias,
que faziamos real e uma sensação benfazeja,
puro extase e alegria! 

São Paulo 25/04/2006
Edvaldo Rosa

www.sacpaixao.net

Edvaldo Rosa
Enviado por Edvaldo Rosa em 25/04/2006
Reeditado em 16/10/2011
Código do texto: T145323
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Edvaldo Rosa www.sacpaixao.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Edvaldo Rosa
São Paulo - São Paulo - Brasil, 55 anos
1727 textos (173711 leituras)
23 áudios (10645 audições)
35 e-livros (8978 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 16:11)
Edvaldo Rosa

Site do Escritor