Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Involuntário

De noite na cama fico pensando
Se tu me amas e quando
Se tu me amas eu fico pensando

De dia eu faço graça
Pra não dar bandeira
Sei lá, tu não vês.

De dia tudo passa
Como brincadeira
Mas de ti estando longe

Olhas nem sei pra onde
Pára e te demoras.
Por hora não vou ter

Coragem de te dizer
Um dia eu vou estar à toa
E vais estar na mira

Não sei se sabes
Que eu sei o quanto
É difícil dizer
Que te amo tanto.

Enquanto isso
O mundo gira
Em mim um interminável fenecer

Cá dentro,
Indecisão pra valer:
Virás um dia me entreter?

Todavia, meu coração,
Este músculo involuntário
Que por ti pulsa e extrapola

Feito a chuva que lava
A terra e leva e molha
A multidão que me olha..

Contudo, nem o vento
Que desordenado sopra
De meu espírito tira

Os pensamentos afoitos
Na cama de noite
Se, à escala

Que te amo tu me amas
Ao relento, no frio
Das ardósias da sala.

Não obstante, transpareces
E me esqueces
Que até parece que é o amor
Uma outra espécie.

Pressinto,pois, jóia rara
Que não pretendes dar na cara.
Invólucro nesta teia que a vida tece
Meu mundo inaflorido empobrece.

A valsa vienense emudece
Todo o universo desaba
Sobre meu sonho, zombaria ou prece
Diverte-se e se cala.

Sem ti tudo fica sem graça
Branco o dia e a noite feito fumaça
Densa acinzentando esta doença passional.

Meu amor por ti não passa,
não dorme, não morre;
só respira e tosse, mal-mal.
Cid Rodrigues Rubelita
Enviado por Cid Rodrigues Rubelita em 27/04/2006
Código do texto: T146250
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cid Rodrigues Rubelita
Curitiba - Paraná - Brasil
146 textos (4844 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 01:21)
Cid Rodrigues Rubelita