Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CADEIRA DE BALANÇO

CADEIRA DE BALANÇO

Aqui neste lugar,
No balanço da cadeira,
Sempre vinha descansar,
Onde a vi, na vez, primeira.

Era linda a primavera,
Há muitos anos atrás,
Você a minha quimera,
E eu, um jovem rapaz.

Quanta alegria no peito,
Que tremenda sensação,
Teu olhar meio sem jeito,
Quando peguei tua mão.

Foi por instinto? Talvez!
Quem sabe, por sedução?
Fiquei eterno freguês
Da força do coração.

Sorriso nos lábios finos,
Tanta ternura no olhar,
Muita paz dentro do peito,
Na cadeira a balançar.

Ante eu, tão grande encanto,
Um convite a ser feliz,
Cobriu-me, de paz, um manto,
Apaixonado, me fiz.

Naquele inverno casamos,
Juntamos nossos destinos,
A musa de muitos anos,
Ficou mãe dos meus meninos.

Após um dia de lida,
Ao chegar ao nosso lar,
Na cadeira estava a vida,
Meu amor, a balançar.

Nos inverno0s, se voltava,
Cansado do meu trabalho,
Na cadeira te encontrava,
Encontrava o agasalho.



Ao chegar, todo em suor,
Nas tardes de primavera,
Tinhas na mão uma flor
E as duas à minha espera.

Mas, na volta derradeira,
Nem podia imaginar,
Ver a vida e esta cadeira,
Vazias, a balançar.

Então, no chão uma flor
E o lenço perfumado,
Diziam adeus ao amor,
Do outro amor acabado.
Condorcet Aranha
Enviado por Condorcet Aranha em 03/05/2006
Código do texto: T149838

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Condorcet Aranha
Joinville - Santa Catarina - Brasil, 76 anos
106 textos (14594 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 20:32)
Condorcet Aranha