Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema 0677 - Meus não(s)




Preciso de uma nova espécie de amanhã,
meu mundo tem muitos não(s),
os dias seguintes são iguais aos ontens,
não sei traçar planos, não sei pedir ou a quem...


Tento deixar o amanhã para depois,
levarei minha alma até outro corpo caso precise,
sinto que o impossível é a tônica da minha vida,
não posso crer que é tudo é igual, não amanhã.


Pareço confuso ante a falta dos sins,
os sonhos estão cada dia menores, mais simples,
o corpo sente um cansaço anormal para meu hoje,
desligo o mundo a cada delírio e finjo dormir.


Voltarei outro dia, espero sem outro pesadelo,
com a esperança da criança que conquista o mundo,
as mãos limpas como agora, o coração sem pecado,
só com a vontade de amar, não por qualquer motivo.


Procuro a felicidade dentro de um mundo vazio,
desenho trilhas para caminhar cada centímetro,
perco-me nos desejos que jamais realizo,
quero enxergar além do horizonte, uma vez ao menos.


Liberem o caminho, deixe-me livre para viver,
quero a liberdade de realizar meus poucos desejos,
dormir sem hora pra levantar depois do sonho,
fazer meu hoje feliz, eu e a quem amo.


Não vou comprar sonhos alheios, nem fabrica-los,
corro meus próprios riscos, cumpro minhas promessas,
antes, quero ser amado, querido, e fazer sorrir,
preciso conseguir chegar até onde está a felicidade.


O sol se põe, é tarde, espero o final de mais um dia,
caminho meus pensamentos até onde está minha amada,
ensaio palavras, resumo alguns poucos desejos
e espero... talvez amanhã sem não(s) e uns poucos sins.


04/05/2006
Caio Lucas
Enviado por Caio Lucas em 04/05/2006
Código do texto: T150265
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Caio Lucas
São Paulo - São Paulo - Brasil, 68 anos
4429 textos (116250 leituras)
1 e-livros (166 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 16:33)
Caio Lucas