Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Telefone de Rua

Acho que me lembro.
Agora relembro.
Talvez fosse setembro.
Que mês?
Não importa...
Só lembro que foi lá,
Onde chamam Entorta.

Sei, sei, concordo:
Nome esquisito de vila.
Ah! Mas tal poesia, não vou feri-la...
O outro nome,
Que eu chamei ao telefone...
Ah! Este era lindo!

E o jeito de falar,
E o jeito de sorrir,
E o jeito de não me ver chorar,
E o jeito de para sempre partir...
E o “seu” belo jeito
De não me amar;
E o “meu” triste imperfeito
De não olvidar...

Acho que me lembrei.
Agora sempre relembrarei.
Se era setembro, não sei...
Que fez?
Sim, importa,
No bairro do Entorta,
Lá estávamos eu, e a dor,
Naquela noite sem lua,
Declarando amor
De um telefone de rua...
Elias Araujo
Enviado por Elias Araujo em 06/05/2006
Código do texto: T151619
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Elias Araujo
Américo Brasiliense - São Paulo - Brasil, 46 anos
29 textos (1213 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 22:58)
Elias Araujo