Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Homenagem para as mães por vários poetas:

------------------------------------------------------------------------------------------------

Mãe


Há desgostos neste mundo,
que muita gente já tem
É o desgosto profundo
de se perder uma mãe

Contigo sonhei mãezinha
e nesta noite a sonhar
Novamente eu te tinha,
mas acordei a chorar!

Deus te quis levar um dia,
prá sua corte celeste
E tirou-me esta alegria,
que tantas vezes me deste

Mãezinha,! Falta me faz,
contigo não poder estar
Trazia-me tanta paz
a tua forma de amar

Eu só peço ao Bom Jesus,
quando triste eu estiver
Que me dê a mesma luz
quando me viste, nascer


A ti, não há outra igual,
não te comparo a ninguém
Eras um ser excepcional,
só tu minha querida Mãe!. 

Esta poesia é da poetisa portuguesa Maria Dulce

------------------------------------------------------------------------------------------------


MÃE... PAI... MÃE...

Mário Osny Rosa

QUANTO É DIFÍCIL
SER MÃE, SER PAI.
AO MESMO TEMPO,
O TEMPO SE VAI...

E CONTINUAS SENDO PAI,
COM O CARINHO DE MÃE.
ESTE DIA TAMBÉM É SEU,
VOCÊ MERECE MUITO MAIS.

PARABENS PELA SUA INTELIGÊNCIA,
POR SEU AMOR A TODA SUA FAMÍLIA.
QUE UMA MÃE PAI MÃE,TEM PARA DAR.
RESTA, RECORDAR DE TUDO QUE PASSOU.


QUAL FOI MINHA ALEGRIA,
EM RECEBER DE VOCÊ A LINDA POESIA.
NESTE DIA, DIA DO PAIS,
PARABENS A VOCÊ, ESTE TAMBÉM É SEU DIA.


FLORIANÓPOLIS, 13 DE AGOSTO DE 2000 

Visite o Site do autor: 
www.mario.poetasadvogados.com.br

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Ana 

A na teus olhos azuis são dois diademas,
N o qual eu me perco, quando fito...
A tentar espreitar em teu olhar um pouco de tua alma!

A s horas que passo a teu lado são tão poucas,
N as tuas palavras vou me embalando,
A s tuas risadas vão me alertando, ecom como sinos...

A na assim então transbordando os nossos sentimentos
N egas o amor que então sentimos,
A penas para que não lembremos que morremos pouco a pouco!

A na, não me renegues este amor que sinto,
N os caminhos de teus anos,
A ceita que te amo sem medida,

A ceita que não haverá nunca uma despedida
N ota que o tempo é eterno quando amamos,
A inda mais que o sino não toca, os dobres de nossa despedida!

A na deixa que eu deite em teu colo,
N ão negue o beijo que te peço ou ofereço,
A h! Como eu te adoro! Meus olhos azuis de mar infinito!

A vida nos colocando lado a lado,
N os ofereceu um grande problema:
A mar deveria ter medida? 
Diga-me a senhora! 
Eu obedeço.

Edvaldo Rosa

28/03/2006

Visite o outro site do autor:   www.casadoescritor.com
 
Edvaldo Rosa
Enviado por Edvaldo Rosa em 08/05/2006
Reeditado em 08/05/2006
Código do texto: T152771
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Edvaldo Rosa www.sacpaixao.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Edvaldo Rosa
São Paulo - São Paulo - Brasil, 55 anos
1727 textos (173762 leituras)
23 áudios (10650 audições)
35 e-livros (8978 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 05:00)
Edvaldo Rosa

Site do Escritor