Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O carbono da mente...


Numa noite, sem que o luar surgisse,
Os pincéis do veto iraram em fetiches
Tingiram o céu de marinhos açoites...
Entre as rochas negras petrificadas
No ultimo dilúvio, esboçando limo!
Grudando a lousa as ondas untadas...
Osculadas pelos cacos de abalone
E restos mortais de mariscos
Indo e vindo, fugidios suplícios...
Cinzéis movimentados pela ventania
Esculpindo um amor inseminado,
Arvorado aos sargaços colorindo a lida...
Afagando escarcéu que geme e busco
Entre as pedras, o carbono intrínseco
Na olorosa maresia, cavando areia no rito...
Na negritude do ocaso jaz um astro,
Luzido na tona aquosa! Lençóis marejados,
Do sentir desejando, o amado buscado...
Trazido na escura noite, o carbono
Do mar, rolado nas ondas de amar!
Pousando no leito acamando sidério...
Brilhante presente num cruzado
Hodierno, envolto na negritude, reluz
Em versos, sedento de afago...
E ama, nos seixos rolados nas gramas
De espuma, clareando as brumas,
O amor devaneado, que jaz estrela...
Diamante encontrado, no peito permeia!
Carbono que fostes profundo derreia,
Não sei quando voltas ,que sei é que amo!

“ A Poetisa dos Ventos”
Deth Haak
10/4/2006

Deth Haak
Enviado por Deth Haak em 10/05/2006
Código do texto: T153663
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Deth Haak
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil, 57 anos
547 textos (65375 leituras)
50 áudios (9723 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 22:13)
Deth Haak