Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

quimera

Senta-te aqui, ao meu lado, não precisas dizer nada
Nada precisamos fingir, senão deixar que a chuva
Encharque e purifique as nossas almas despidas

Vês aquela árvore florida?!
Que vai e vem à melodia da brisa?!
Um dia, fora apenas uma semente

Amanhã, em seu lugar, erguer-se-á um monumento
E ninguém mais há de lembrar a sua existência

Entrelacemos as mãos, enquanto as temos
A vida, como o vento, a chuva, a árvore...
É única e eterna, na brevidade do seu tempo

Sintamos o cheiro suave da terra molhada

Brindemos com a inconstância
Os nossos gozos inacabados
E com o silêncio, a mentira desse instante

Pois, tudo o que somos, sentimos ou tocamos
É apenas ilusão, a vívida ilusão dos nossos sonhos
Corporificada no delírio existencial de cada ser

A chuva vai passar, logo se fará noite
As estrelas encherão de luz as nossas retinas
E nos farão acreditar na possibilidade do existir

Porém, tudo o que foi, não mais será
Senão remotas lembranças da nossa saudade
Na sua marcha em vão, ao encontro do nada.
             
João Nery Pestana
Enviado por João Nery Pestana em 19/05/2006
Código do texto: T159052
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
João Nery Pestana
São Paulo - São Paulo - Brasil
29 textos (1098 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 09:20)
João Nery Pestana