Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema 0696 - Onde está o eleito




Onde está a esperança que quebrou no dia da posse?
Recriou o frio, fez raio e tempestade, soltou rojão,
a sorte que tinha mão, tinha pé, tinha dono,
misturou o quente no gelo e sujou a eleição.


Onde está o rosto com o sorriso branco?
Minha voz foi abafada com a dança da moça.
prometeu tirar a fome, dar remédio,
vi foi menino correndo pra ganhar liberdade à força.


Onde está a moral que fica atrás do muro do palácio?
A promessa do mais emprego, do mais pão,
a escrita que o eleitor deixou na porta do banheiro,
as armas trocadas por um qualquer tostão.


Onde está toda aquela prosa do ''eu faço''?
Valeu mais uma vez a lição, me chama de otário,
joga fora a vergonha, pode caçar minha identidade,
foi autor da história pra depois rasgar o inventário.


Não nasci miserável, me fizeram no meio do caminho,
mediram as frestas que cabia o voto forte como aço,
o coitado o elegeu acreditando na palavra dita,
o homem foi eleito, o povo não, apenas palhaço.


Quero confiar no meu silêncio, é a única verdade,
prossegue a promessa, a covardia, diz que não mente,
o barulho que canta de terno e gravata não vale nada,
não acredito que é inocente o desleal sem ética presidente.


Posso escrever minhas prosas sem mentira, sem o sim,
a esperança acabou, o dinheiro, o dia, os versos, até a mão,
amanhã vou escrever não, no muro, na porta do palácio,
pra não faltar carne, pra menino escola não faltar não.


22/05/2006
Caio Lucas
Enviado por Caio Lucas em 22/05/2006
Código do texto: T160693
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Caio Lucas
São Paulo - São Paulo - Brasil, 68 anos
4429 textos (116241 leituras)
1 e-livros (166 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 11:44)
Caio Lucas