Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Desejo descrito em quatro mãos

O desejo descrito em quatro mãos

O amante:  Amor que sobre mim vens agora,
                 traz a lua e as recordações da noite,
A amante:  Que me lambe a pele e a alma devora,
                 que me transborda com seu bem querer.
O amante:  Me traz um pouco da tua verdade,
A amante:  E agita meu sangue, faz-me tremer.
O amante:  Quero ser tua rota de fuga.
A amante:  Quero fugir de você.
O amante:  Quero que sejas meu tempo e minha calma,
                 minha paz, minha luz
A amante:  e fingindo cansaço, me desfaleça em seus braços.
                 Despertando na aurora.
O amante:  Vem amor, te amparo e te aniquilo.
                 sou teu salvador e tua perdição
A amante:  Meu escravo e minha rendição
O amante:   tua luz, a tua salvação
                  tua estrada, minha ilusão
A amante:  Mas o breu, o desejo, a tentação.
O amante:  traz meu nome escondido na dor
A amante:   Que me estoura o peito e me salta num grito
O amante:  na tua inocência fruto sou eu
A amante:   Mas em teu calor flor desabrocho,
                 nas tuas mãos em pétalas me desfaço
                 Rasgo a pele, deixo a alma aos pedaços.
                 Mas o aroma que emano,
                 atiça o demônio e o anjo insano,
O amante:  Me perco ao mar dos teus lábios
A amante:  Atiça a mim, atiça a ti e os demais olhares.
O amante:  porque das cores és só o que resta
A amante:  Não, ainda existe nessa carne ardente e pecaminosa.
                 Ainda reluzem os dois poetas
                 Que nos poemas se unem
                 Na cama se fundem,
O amante:  E se fundem na solidão das palavras,
A amante:  Não no jardim do Éden,
O amante:  mas na cama,  na lama e no sol
                 na chuva, no asco, no paiol,
A amante:  usando a relva como lençol.
O amante:  Em cima dos telhados e do céu
                 nas estrelas, entre astros
                 revolvo em vultos teu véu
                 e te faço mulher e amada
                 ao tudo te dou o meu nada
O dois:       porque és minha morada.


Por Lara e Garcia
Princesa Lara
Enviado por Princesa Lara em 28/05/2006
Código do texto: T164869
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Princesa Lara
Santo André - São Paulo - Brasil
116 textos (6717 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 10:12)
Princesa Lara