Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Brancos lençóis:




Chove, olho a rua.
Os vidros embaçados
Dificultam a minha visão.
Quase nada eu consigo ver
Apenas vultos de pessoas
Que apressada-mente vão
Pelas calçadas como loucos
Procurando fugir da chuva
Se protegendo nas marquises
Mas eles não desistem
O vento forte, não da trégua.
As marquises não servem mais
Pois eles precisam correr
Porque, já estão atrasados.
Eu continuo ali na janela
Perdido em meus devaneios
Não percebo que alguém
Já se encontra ali a meu lado
Um suave beijo me desperta
Um corpo se aninha em meu peito
E me convida a voltar novamente
Para nossa cama quentinha
Aquele corpo seminu, e tremulo.
Ali enroscado em meus braços
O calor que dele emanava
Me fizeram acordar de vez
Tomei-a nos braços e a beijei
Enquanto ia até nosso leito
Delicadamente, seu corpo eu deitei.
Entre brancos lençóis, eu a amei.

Volnei Rijo Braga

Pelotas: 03/06/06.














Volnei Rijo Braga
Enviado por Volnei Rijo Braga em 03/06/2006
Código do texto: T168638
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Volnei Rijo Braga
Pelotas - Rio Grande do Sul - Brasil, 69 anos
2314 textos (147481 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 05:05)
Volnei Rijo Braga