Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema 0716 - Mulher




Hoje não sei seu nome, te chamo mulher,
sem qualquer medo, apenas mulher,
sorri misteriosa como o seu desejo,
os pensamentos voam alto como o céu que sonha,
amante... outra vez, muitas vezes mulher.


Onde anda suas vontades de mais viver,
os ciúmes de uma outra que não existe,
mais pura, mais linda, não como você,
visita seu íntimo e grita por socorro:
-Voltem o tempo, quero ser outra...


Tem o belo impregnado na pele,
dentro e fora do sexo,
o perfume que agride, conquista,
os pêlos entrecortados, um tesão incontido,
desafia a noite exalando seu cheiro provocante.


Seus passos seguem uma rota desenhada,
como rainha, como donzela, como mulher,
como qualquer uma, luta e apaixona,
entrega-se, faz o amante desfilar em suas ruas,
lambuzando-o, o sexo de sexo, o amor que faz amor.


Reconheço sua coroa invisível de cristal amarelo,
o vermelho da paixão estampado na roupa,
o perfume cremoso do desejo espalhado na pele,
os pés firmes na sua própria verdade de mulher,
como se nada mais existisse, apenas uma de sua espécie.


E quando sonha, é de amor que sonha,
um corpo amante de outro mais ou menos puro,
não precisa ter um céu, amor sim,
nos olhos tem que ter o brilho das luas, das estrelas,
assim se sente mulher, simplesmente mulher.


08/06/2006
Caio Lucas
Enviado por Caio Lucas em 08/06/2006
Código do texto: T171755
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Caio Lucas
São Paulo - São Paulo - Brasil, 68 anos
4429 textos (116251 leituras)
1 e-livros (166 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 23:11)
Caio Lucas