Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sangria

Entre cortar os pulsos
e deixar meu sangue impresso...
Preferi seguir o impulso
de sangrar amor nos versos.

Inútil minha sangria
se não convence a quem parte...
Porém, sangrando poesia
ao menos, morro de arte.

Quem diz que o amor não mata
não sabe o que dói na dor...
Só que ama e se arrebata
sabe o que é morrer de amor.

Aos olhos desiludidos
tanto faz, verso ou punhal...
Entre o poema e o suicídio
tudo o que morre é igual.

Morrer é matar alguém
que já foi nosso e se foi...
Mas viver por quem não vem
É, também, morrer por dois.

Por isto, se não me mato,
não é pura covardia...
Morre mais, morre de fato
quem se mata de poesia.
Vaine Darde
Enviado por Vaine Darde em 12/06/2006
Código do texto: T174295

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Vaine Darde
Capão da Canoa - Rio Grande do Sul - Brasil
543 textos (83376 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 11:53)
Vaine Darde