Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

RÉU CONFESSO


Jorge Linhaça
11/08/2005
 
No banco dos réus sentado
Por um crime premeditado
de tal forma planejado
e plenamente executado
 
Sou assim um réu confesso
a sua atenção eu lhes peço
Foi um crime de puro reflexo
como escrevo estes versos
 
Sou culpado da ternura
de abandonar a clausura
de me entregar à candura
de ser a luz na noite escura
 
Sou eu um poeta errante
sou amigo e sou amante
esteja perto ou distante
do meu coração navegante
 
Sou brisa morna em tarde quente
sou escrevinhador eloqüente
Sou um plantador de sementes
do amor nos peitos ardentes
 
Sou culpado pela paixão
réu confesso da sedução
caçador e caça da emoção
Culpado, sem apelação.
Jorge Linhaça
Enviado por Jorge Linhaça em 18/06/2006
Código do texto: T178089
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jorge Linhaça
Salvador - Bahia - Brasil, 55 anos
3723 textos (711092 leituras)
95 áudios (13093 audições)
1 e-livros (277 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 08:45)
Jorge Linhaça