Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema 0724 - Solidão


 
 
Perdoe-me, não voltarei mais à noite,
um dia talvez e falo de amor,
por instantes fui seu, somente seu,
até que a mágica luz acendeu nos meus olhos.
 
 
Voltarei ao mesmo lugar que me encontrou,
lentamente os desejos te aguçam,
não quero alinhar-me a tristeza,
sou sol, dourado e forte, louco sim, todo eu.
 
 
Falo de um amor que não é natural,
não amor homem, mulher, são escuros,
meus fantasmas que gritam por solidão,
sofrem enquanto amo, que sofram para sempre.
 
 
Maldita seja a solidão, maldita seja,
caminha lento com seu manto negro,
sorriso debochado, nenhuma cor,
exceto seus olhos que atacam o tempo.
 
 
Deixo-a enfurecida a um passo do abismo,
meu corpo transparente volta ao mundo vivo,
hoje a realidade é amor, a roupa que me serve,
perdoe-me, não grite por mim, não voltarei...
 
 
23/06/2006
Caio Lucas
Enviado por Caio Lucas em 23/06/2006
Código do texto: T180740
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Caio Lucas
São Paulo - São Paulo - Brasil, 68 anos
4429 textos (116251 leituras)
1 e-livros (166 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 05:50)
Caio Lucas