Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema 0725 - Alma flutuante


 
Flutua minha alma como em um sonho,
vez ou outra caio em um silêncio mortal
até que algum dos deuses me toca o rosto.
 
 
Escrevo palavras bem antes do céu,
depois das nuvens que suportam os pecados,
deveria chorar mais vezes, viajar, sempre.
 
 
Tenho saudade de um amor que não veio,
aqueles olhares que fazem o suor aparecer,
as palmas das mãos frias antes d'outras carinhosas.
 
 
Deixo aqui uma lágrima em protesto a guerra,
materiais próprios dos poetas e loucos,
assim como a solidão no meio do céu.
 
 
Poderiam um dia ler dos meus amores,
está escrito com qualquer tinta, não sei onde,
entenderão-se os motivos dos meus sonhos, não sei.
 
 
Volto a flutuar, como noite passada fui a algum lugar,
no rosto ficou o frio do vento dos espaços vazios,
no coração pulsa a coragem do meu próprio amor.
 
 
23/06/2006
 
Caio Lucas
Enviado por Caio Lucas em 23/06/2006
Código do texto: T180741
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Caio Lucas
São Paulo - São Paulo - Brasil, 68 anos
4429 textos (116251 leituras)
1 e-livros (166 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 00:01)
Caio Lucas