Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DEIXEM POUSAR AS GAIVOTAS




É urgente deixar pousar as gaivotas.
Acabar com a sua loucura pela terra.
Calar-lhe os gritos, dando-lhe a vez
na aterragem, sem lhe ocultar nada.

Como amaciar-lhes, na noite, as asas?
Como ocupar-lhes, no voo, as horas?
É preciso que alguém venha dizer-lhes
como termina a superfície do mundo.

São as colinas da ilha a atracção plena
pelo desejo, pelo beijo que as espera.
Se houver silêncio alcançarão o topo
das árvores, onde começa a espuma do mar.

É ali que sobrevoam os telhados das casas
e termina a sua aflição. Cubramos o ruído
dos comboios que não existem, com as ondas
amainadas pelos sorrisos, no começo do dia.

É urgente deixar pousar as gaivotas, repito.
Como já havia escrito elas estão aí, brancas,
loucas por aterrissar. Perguntem-lhes como amam
tudo o que é dito nas notas de uma sinfonia.

Por mim o mundo pertence-lhes, a partir
das ravinas, na sombra do seu olhar, cansado
e sábio pelas coisas que já viram. Eu ouço jazz,
no bater do seu coração. Dêem-lhes a praia.

A voz de Pound procura-as nas escarpas.
Eu durmo. Página a página reinvento-as.
As mulheres aproximam-se, na cambraia
dos seus belos vestidos. No chão, a poesia.


José António Gonçalves
(inédito.17.09.04)
JAG
Enviado por JAG em 02/07/2006
Código do texto: T186376
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
JAG
Portugal, 62 anos
117 textos (41779 leituras)
4 áudios (187 audições)
1 e-livros (28 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 22:52)
JAG