Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cor*

Perpetuei e nunca vi tanta simplicidade,
Que um olhar tão pueril fosse fazer cair minha cidade,
Então olhei as paredes muito úmidas  a atrair meus olhos secos,
Que nem mais lágrimas existiam, vi teu jeito simples de falar,
A me elogiar e as outras pessoas que só riam.

Perpetuei nunca vi afeto, nem carinhoso de tamanha magnificência,
Procurei a máxima fé no meu egoísmo e na razão da minha existência,
Mas ao contrário do dito, amor nem com se ciência se explica,
Amor se realiza, se pratica

Perpetuei nunca pensei em laços afetuosos,
Só em néctares que matavam minha sede, ou tecidos que me aqueciam a pele,
Não vi como necessidade mútua ao amor se repele,
E mesmo que se negue além de tudo,
Não beleza tamanha que teus olhos tão serenos,
Como esta tua íris tempestuosa e tuas mãos tão pequenas

Perpetuei nunca vi juventude, mesmo que esta a meu corpo abriga,
Nunca me vi em tamanha disposição para amar, como enraivecido numa briga,
Minha juventude teu lócus abriga,
Como sombra sobre as águas nunca estáticas,
Então tenho sobriedade de te adorar, como rosas à dálias tão mágicas
Usei para mim o que chama de palavras tão bonitas,
As atirei a todos os cantos e Dálias em outros jardins,
Como os raios que são pra todos, e a beleza venenosa dos jasmins.

Perpetuei e não contei a ninguém
Que este escrito não tem o nome afim de aquarelas
Contei a teus ouvidos por estas linhas
Que a vogal do título é aberta como em teu nome
Então por trás da tela esquerda de seu peito
Este texto se esconde

Perpetuei com a chuva batendo forte no vitral e nas janelas
E nunca me vi tão protegido
Com você do meu lado e eu de amor vestido
E você meu amor, nunca precisou me escrever o que dizes
Pois uma palavra ou qualquer sua me soa como uma promessa
Posso esquecer de corar as flores
Mas nunca esquecerei da primavera

Perpetuei nunca vi tamanha alegria
Que não é divina nem profana
Que se me pertence a força do amor no Cor que a todos engana
Mas, tão contrário aos pensamentos adversos
Este também principalmente ama
Dilacera meus sonhos que enobrecem teu vestido
Ante a realidade esperada de que eu honre o prometido
Podes por sua mãos as chamas se não a tu sempre for submetido
E que eu esteja assim sempre refém conformado de teu sorriso

Perpetuei-me a descrever a habilidade dos teus gestos, das tuas mãos
Das tuas falas muito rápidas, e leves toque em meu coração.

*Do latim: Coração.
Andrié Silva
Enviado por Andrié Silva em 27/07/2006
Código do texto: T202847

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Andrié Keller ( baadermeinhofblues@hotmail.com ) Brasil - http://www.recantodasletras.com.br/autores/andrie). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Andrié Silva
Salvador - Bahia - Brasil, 27 anos
912 textos (98485 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 06:09)
Andrié Silva