Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

os pingos da chuva

uns conversam com as estrelas
eu conversei com os pingos da chuva
na saída do posto de gasolina
tinha ouvido a voz dela
carregada de adrenalina,
contente, alegre, feliz,
provando que era a menina
que sorria ao telefone
falando alto e eu querendo
rir também ao pretender escutar

ela é das terras do sul
loura dos raios de sol
eu, meio achocolatado
meio doce de leite
quem sabe um enfeite bizarro
doido pra ser apanhado
punido e colonizado
pelo meu sangue africano
mas ela comete o engano(?)
de dizer que sou seu dono
patrono, senhor ou o rei
me dá um troço que nem sei
não vou mais brigar com Zumbi

e aí foi então que senti
que eu tinha ficado maior
grande, bonito, viril
mais alto, confiante, mais moço
bem mais senhor de mim mesmo
tudo foi ela quem deu
e no que lhe aconteceu
tem um pouquinho de mim
o fato é que estamos assim
que nem rio junto do mar
e desse torpor, dessa festa
ninguém vai poder nos tirar
e os pingos da chuva celebram
com beijos de saborear

quando a gente começa
a pertencer a alguém
quando a gente começa
a se entregar a alguém
a gente vai ficando maior
se enche, se acha importante
não quer nem consideração
não precisa mais de aplausos
quando ela me chama de rei
dá um troço que nem sei
de dono, de senhor, de sei mais lá o quê
custo a perceber
que esteja faltando alguma coisa
depois que ouvi a voz dela
no posto de gasolina
com toda aquela adrenalina
foi como se eu ouvisse a mulher
que ganhara na loteria
como se eu ouvisse a menina
que ganhara o mais querido brinquedo
como se um dia o covarde
nunca tivesse mais medo
como se eu ouvisse o bêbado
com o desejado aguardente
como se a mãe sorridente
tivesse achado o filhinho

uma alegria que me contagia
bota pra cima, mais jovem, bonito
Alain Délon não é páreo
fica pra lá de esquisito
(e como o francês era belo)
Richard Ghere já era
deixa de ser uma fera
(e como o americano é o cara)
Vitor Fasano, o marido da Xuxa,
ninguém te barra
tudo porque ela te quer
tudo porque ela assim quer
e quando ela te chama de rei
dá um troço que nem sei...
só mesmo os pingos da chuva
é que poderiam explicar
Aluizio Rezende
Enviado por Aluizio Rezende em 02/08/2006
Código do texto: T207279

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Aluizio Rezende
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
6596 textos (144475 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 16:01)