Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Manhãs de Setembro



Ao acordar
Nas manhãs de setembro...

E sentir o vento em meu
Rosto batendo
Livrarei o sonho guardado
Bem aqui dentro
O transformarei em um
Novo rebento.

Ao acordar
Nas manhãs de setembro...

Estarei a ansiar
Pelas carícias do meu
Amado
A recordar
O gosto doce do beijo molhado
O contato delicado
Do corpo suado

Ao acordar
Nas manhãs de setembro...

Estarei a pensar
Que do sonho nada pode ser
Roubado
Sinto ainda teu perfume
Orvalhado
A nudez de teu corpo
No capim amassado

Ao acordar
Nas manhãs de setembro...

E ao me deitar
Numa noite sob o céu
Estrelado
Sentirei tuas mãos finas e
Sedosas
Me alimentar com carícias
Fogosas
Roçando minha pele tão ansiosa

Ao acordar
Nas manhãs de setembro...

Estarei a esperar
O contato de tua pele acetinada
Tocando minhas faces afogueadas
Abrindo meus lábios com teus beijos

Ao acordar
Nas manhãs de setembro...

Estarei a imaginar
Tua maciez veludosa,cobrindo-me
De desejos
Sussurando em meus ouvidos
Docemente, sufocando meus gemidos

Ao acordar
Nas manhãs de setembro...

Ouvirei as distintas vozes do vento
A cantar no jardim entre as flores
Recordando, revivendo antigos amores

Ao acordar
Nas manhãs de setembro...

Guiarei os meus passos além do tempo
Sentirei dançar em minhas faces rosadas
O carinho alado do teu sentimento

Ao acordar
Nas manhãs do futuro...
Alçarei vôo por sobre o muro
Olharei além do jardim
Onde pequenas rosas ainda escondidas
Se protegem na sombra,
Na noite no escuro.

Ao acordar
Nas manhãs de setembro...

Beijarei estes novos rebentos
Sentirei todo o seu pólen
Até que as rosas me ofereçam seus espinhos.

Ao acordar
Nas manhãs de setembro...

Irei suspirar por teus carinhos
Ferida de morte pelas belas rosas
Até encontrar outros caminhos,

Ao acordar
Nas manhãs de setembro...


Quero dançar nua
Entre as pétalas das rosas
Sentir tuas mãos finas e sedosas
Percorrendo meu corpo vagarosas.

A encantar-me rapidamente
Como nuvens leves e vaporosas
Desmanchando-se no céu
Azul e rosa

Ao acordar
Nas manhãs de setembro...

Quero estar ao teu lado
Ser tua flor mais formosa
Filha da natureza maravilhosa
Numa prece fervorosa

Ao acordar
Nas manhãs de setembro...

Então flor, ressurgida do amor
Esquecerei toda a dor
Rasgarei minhas pétalas
De encontro ao vento
Sereis apenas a essência
De um perfume, um momento.

Ao acordar
Nas manhãs de setembro...

Subirei para o espaço
Olhando para a luz no firmamento
Tocando de leve teu pensamento.

Ao acordar
Nas manhãs de setembro...

Vou me tornar chuva
Que molha as flores
Segredando ao vento
Seus amores
Aguardar na chegada do tempo
A primavera com sua poesia
Trazendo novas flores, com sua magia.





Aradia Rhianon
Enviado por Aradia Rhianon em 17/08/2006
Código do texto: T218780

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Aradia Rhianon
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
1208 textos (87673 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 00:15)