Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Carta a um poeta

Há quantos dias não destino os meus versos a ti
nem te revelo os lindos sonhos que contigo comunguei...
Não que eu te tenha esquecido ou deixado
nem que meu amor tenha sido terminado...
Impõe-me a vida que eu te deixe assim, tão arraigado a mim,
ainda que de longe, ainda que de passagem, ainda que jamais...

Há quantas horas não te digo de mim o coração
nem das dores que me possuem, dos medos e da solidão...
Não que em ti não deposite a mais pura confiança
nem que meu amor se tenha tornado enfraquecido...
Impõe-me a saudade que eu te lembre assim, tão apartado de mim,
ainda que o deseje, ainda que o necessite, ainda que depois...

Há quantos minutos não penso totalmente em ti
nem nas tuas palavras mansas por mim saboreadas...
Não que delas ainda eu não sustente a vontade de sorrir
nem que meu amor tenha sido frenado...
Impõe-me o desconsolo do tempo que já se passou,
ainda que teu olhar, ainda que teu colo, ainda que teu calor...

Há quantos segundos não te sensibilizo assim,
tão demasiado longe, imaginado tão perto de mim...
Não que eu esteja fugindo da tua poesia um pouco dedicada a mim
nem que pense por algum momento em esquecer-te a ilusão...
Amo-te, meu poeta querido e continuo a querer-te comigo,
ainda que sozinha, ainda que sempre, ainda que não saibas.
Nalva
Enviado por Nalva em 22/08/2006
Reeditado em 23/08/2006
Código do texto: T222846

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Nalva
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 49 anos
102 textos (15404 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 06:02)
Nalva