Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Clarim

Às vezes não é com rosas
que a gente conquista um sonho.
A poesia possui outros papéis...
É necessário desensarilhar os versos,
erguer trincheira com as palavras,
munir-se de punhal de lua
e desferir o verbo.

O destino é uma metáfora
que espera de tocaia.
É preciso prever as armadilhas
pra não ser surpreendido.
Não há como se esquivar
nem fugir.
A vida não tem casamata,
no tempo não há atalhos.

Às vezes o  verso tem que ser perverso...
A pena é também um sabre
em defesa da poesia.
Todo sonho é suscetível de emboscadas
no trajeto.
É preciso expor o gume do poema que se forja,
perfilar-se ao pé das sílabas
e se armar de unha e dente
com sonoro regimento.

Deixo as rosas pra depois
quando o cerco desfizer-se
e o sonho celebrar-se.
A marcha agora é outra:
Tem cadência de tambores...
Deixa a lira repousada sob a colcha de cetim,
vou polir os meus metais,
aferir a mira e o passo
do poema que acorda com acordes de clarim.




Vaine Darde
Enviado por Vaine Darde em 23/08/2006
Reeditado em 23/08/2006
Código do texto: T223596

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Vaine Darde
Capão da Canoa - Rio Grande do Sul - Brasil
543 textos (83354 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 08:12)
Vaine Darde