Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema 0796 - Rosário




Sou o rosário que teus dedos debulham,
as rezas que passam entre teus lábios,
cruéis, deliciosos como mel de laranjeira.


Sou o décimo terceiro apostolo da tua mesa,
os paramentos que de ouro nada tem,
o dourado que o sol forte queimou a tarde.


Sou a misericórdia dos teus poucos pecados,
o texto dos livros que jamais leu,
aqueles outros tantos desejos obscenos.


Sou o hábito, o hálito, o atalho,
a trilha que segue entre altares esplendorosos,
como o prazer que caminha lento teu nu.


Sou o sino que toca na tua torre ao anoitecer,
o som que vem da boca com o beijo ao amanhecer,
o barulho estridente e o arrepio repentino.


Sou a capela, o altar, o rosário,
o amor que te tem e enlouquece,
sou o mezanino, a música do coro, a prece.


Sou o amor que o pecado te propõe,
o inferno ou o céu que oferece,
a vida e morte em comunhão com deuses.


25/08/2006
Caio Lucas
Enviado por Caio Lucas em 25/08/2006
Código do texto: T224994
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Caio Lucas
São Paulo - São Paulo - Brasil, 68 anos
4429 textos (116244 leituras)
1 e-livros (166 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 02:57)
Caio Lucas