Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema 0795 - Degraus




Às vezes sou homem e música,
outras, céu e inferno, subo e desço escadas,
com a timidez que abala minhas palavras
ou a vergonha de falar dos meus sentimentos.


Sou a poesia que em versos tristes traz a manhã,
o solitário que ronda a lua e detesta o sol
ou serei eu a noite que os gritos expandem,
que passo a passo segue teu rumo ao nada.


Teu, o beijo fresco da hora do amor,
aparece quando a luz se apaga,
a boca que corre louca desejos iguais,
enquanto dedos cruzam isolando a sorte.


Poderia eu ser um deus qualquer,
não importa quão imóvel aparento estar,
na minha pouca alegria quase platônica,
sei compreender tuas necessidades.


Deixo que a vida suba mais alguns degraus,
ou desçam um pouco mais, não a fé,
sou um espantalho dos dolorosos,
ombro onde pousam pecados d'outros.


25/08/2006
Caio Lucas
Enviado por Caio Lucas em 25/08/2006
Código do texto: T224997
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Caio Lucas
São Paulo - São Paulo - Brasil, 68 anos
4429 textos (116252 leituras)
1 e-livros (166 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 05:35)
Caio Lucas