Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema 0809 - Saudade




Debrucei a sombra na saudade daquela voz,
não lembro meu nome, sei o seu,
corri meus olhos atrás do sol,
perguntei a lua, ninguém mais te viu.


Hoje espero de pé numa varanda vazia,
passam as horas e não sinto,
volto a sonhar acordado,
não tenho nada de meu, levou de mim.


Deixa um bilhete no portão da sua casa,
ao menos um recado escrito na parede de cal,
risca forte a parte que diz ''te amo'',
não quero perder uma letra deste querer.


Tenho seu perfume em algum lugar,
pelo menos sinto seu cheiro, o gosto na boca,
do beijo, sinto também o doce da saliva,
o desejo de ir além do corpo, até a alma.


Volto às tardes, volto antes do amanhecer,
volto às noites e até as madrugadas,
e nada, em nada tem você, há não ser aqui,
neste meu jeito confuso de te amar.


13/09/2006
Caio Lucas
Enviado por Caio Lucas em 13/09/2006
Código do texto: T239532
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Caio Lucas
São Paulo - São Paulo - Brasil, 68 anos
4429 textos (116248 leituras)
1 e-livros (166 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 16:27)
Caio Lucas