Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema 0820 - Brigas


 

 

Não, as frases obscenas, como seu corpo provoca,

o sol da solidão queima de dentro pra fora,

a música tem som de ontem, outra noite,

braços correm vazios ao vento do corredor,

a casa pareceu céu por instantes, por distantes.

 

 

 

As palavras faltam nas bocas de silêncio,

nos íntimos nenhum carinho,

olhos se fecham como se estivessem em sonho,

a tristeza respira meus pulmões secos,

não quero liberdade, ela virá, traiçoeiras palavras.



 

 

A porta se abre entre uma e outra sombra sonolenta,

os céus se fecham e abrem-se infernos,

nas mãos facas invisíveis maltratam o amor,

a fervura da saliva escorre entre dentes afiados,

dois corpos mudos adormecem separados, lado a lado.

 

 

 

Restou-me a despedida das horas que faltam amanhecer,

fico a espera, um mundo desabado reconstrói em meios a escombros,

palavras são jogadas sem tempo, sem respirar o desespero,

nenhuma desculpa, fica a culpa rondando os abraços perdidos,

os restos ficam parados na garganta, junto o medo, a perda, o adeus.

 

 

 

21/09/2006


Caio Lucas
Enviado por Caio Lucas em 21/09/2006
Código do texto: T245674
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Caio Lucas
São Paulo - São Paulo - Brasil, 68 anos
4429 textos (116238 leituras)
1 e-livros (166 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 20:40)
Caio Lucas