Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Uma Garota Anônima

Com seus olhos comes meu coração
E traz a este cadáver cruel sensação
Talvez seja desejo, vívidos alentos
Apenas vejo-t’em alguns momentos
Garota de cabelos tão lisos e escuros
Queria senti-los entre em meus dedos
E talvez eu, em ti, afogue meus medos
Escondidos em meus sonhos-muros
Um desejo de possuir este seu sorriso
Que miraste a mim, junto com teu olhar
Isso seria algo qu’eu mais preciso
Ter tua voz no meu coração a cantar
Árias d’alegria, de uma felicidade ímpar
Mas nem conheço teu nome; e deveria...
E como dizer das vezes que me olhas
Uma graça perdida, qu’em ti eu via
São como as mais radiantes folhas
Duma árvore no início de primavera
Dos meus sonhos... mas seu nome,
Que sempre minha dúvida come
Afinal de contas, qual era?
Nunca perguntei! Aliás, essa dúvida
Arranca me d’alma o sentido
De estar em sua beleza perdido
Um amor de tez tão lívida
Tua face tão bela não foge à memória
São fragmentos duma fantasia-história
Que forma nas quimeras da imaginação
Mas por que me olhas, devorando, então?
Com teus olhos fascinaste meu corpo
Meu desejo, meu ser, minha emoção
E fizeste minha mente entrar em comoção
Encheste até a metade, de vinho, meu copo

E em meus desejos devaneantes
Vejo tuas belas formas, naturais
Caminho por caminhos errantes
Há algo qu’eu queira mais
É poder ver você, aqui presente
Não por instante, não por repente
Mas eternamente, agora, perto
Lembrar de ti me causa arrepios
Ouvir, à meia noite, saudosos pios
Que contra mim o c’ração aperto
Na p’rede de minhas orações
Sorvi goles de suas poções
d’amor. Que me deste quand’olhara
Meu semblante tão triste e solitário
E as uvas que em mim semeara
Prendeste minha vida em relicário
extático! Um gozo que meu joio flama
Levo sua imagem os desejos da cama
Um infern’amoroso para ti planto
A semente qu’aloja em cada canto
Dest’alma... que não se cala e fala
A ebriez que me foge e salta a escala
Mas ainda não sei nem teu nome
E essa dúvida que me consome...
Fabio Melo
Enviado por Fabio Melo em 22/09/2006
Código do texto: T246207

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Fabio Melo
Santo André - São Paulo - Brasil, 32 anos
799 textos (255527 leituras)
6 áudios (1607 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 04:31)
Fabio Melo