Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O AMOR, O CORAÇÃO E A GENTE

TROVAS

As coisas
Que a gente faz com o amor
O amor não faz com a gente.
A gente briga e concilia.
O amor ama somente.

O coração se engana.
O amor jamais mente.

O amor planta a semente
No coração distraído.
Mas, o coração é bandido,
Deixando o amor latente
Em um cantinho escondido.
Depois, chora, simplesmente,
Porque o amor foi perdido!

Por que se perde o amor?
A gente até se questiona.

Quando a gente se apaixona
Por alguém que não nos ama,
Nossa vida se aprisiona
Até consumir a chama
No coração dolorido,
Que sofre por ter sofrido
Uma paixão desumana.
Até que tenha esquecido
Aquela paixão cigana!

Quando alguém ama a gente
E o coração não responde,
É porque se põe na frente
Outra paixão mal vivida,
Situação não resolvida
E a alma não corresponde.
Ainda está pendente
Como dívida vencida
Por isso o coração esconde.

Se o amor é correspondido
Por um coração sedento.
Mesmo crescendo lento
Um dia será perdido.
A gente não sabe o momento
Em que o amor é esquecido.
Só sabe que o sentimento
Fica, com o tempo, falido.
De um lado, o sofrimento.
Do outro, um sonho partido.

Os amores que tive no peito,
Intensos enquanto duraram.
Se um dia se acabaram
Foi porque não teve outro jeito.
Não amei a quem me amaram
Ou a mim não amaram direito.
Pois se fosse o amor perfeito
E não fosse o amor uma chama
Só ardia dentro do peito
No coração que a gente ama!

27.07.02 e 14.10.06
Paulo Sergio Medeiros Carneiro
Enviado por Paulo Sergio Medeiros Carneiro em 15/10/2006
Código do texto: T264922
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Paulo Sergio Medeiros Carneiro
São Paulo - São Paulo - Brasil
63 textos (9680 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 08:05)
Paulo Sergio Medeiros Carneiro