Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Calmo esplendor

Fique calmo! Jamais será tarde, amor meu,
Para amar, esperes o tempo que for preciso
Para o aprendizado de alguém que anda
Na longa estrada entre o riso e o choro!
 
No passado, amor meu, minha proteção arruinada
Num túnel de indagações sem respostas
Procurei-te a luz do luar sem encontrar
Na brisa mansa, no ermo, ingrato a falar!
 
O esplendor derretia numa nevasca calma
No espaço onde teu nome eu escrevi,
E ficava feliz em cada cais que eu parava
No vale verdejante, onde teu cheiro senti!
 
No doce vento sóbrio com sabor de cereja,
Eu andava perto de teus lábios pontilhões,
Muita e muitas vezes meus. O desejo fez-me
Te procurar entre as estrelas mortas!
 
Com meu coração em alegria já prevejo o sorriso
A contrair-se em tua boca vermelha de batom doirado,
A murmurar o canto que eu tanto quero e necessito
Para acariciar o azáfama de desejo desvairado!
 
Tens na boca o sabor do amor de baton-cereja-flor
E da rosa nativa o bálsamo do sonho perfeito,
Outra vez a ternura que é sempre a mesma ternura,
No teu vozear breve doçura entonada de deleite!
 
Meu coração que sempre será prisioneiro da ilusão
E intuição chorosa! triunfa com a  tua chegada, amor,
Sela com beijos ardentes e amáveis a nossa estrada
Infinita, ternura sempre esperada, da noite enluarada.
R J Cardoso
Enviado por R J Cardoso em 18/10/2006
Reeditado em 28/10/2006
Código do texto: T267589
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
R J Cardoso
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
3129 textos (79581 leituras)
2 e-livros (393 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 01:41)
R J Cardoso