Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ainda

Eu ainda preciso me conhecer melhor;
 
 Onde só o silencio convém-me,

 Ainda conter o orgulho, tornado sangue;

 Derrubar a ultima lagrima, conter-me,

 Debruçar sobre a angustia e deleitar sorrateiro;

 E tão ainda, ainda.

 Como pares de capas, e de tão negras espécies,
 
 No coração gélido meu, tão seu, que emerge;

 Mas não da profundeza absurda, ela é grotesca,

 Tão que eu preciso toldar, crio, saio, deito.

 Já que o unico resguardo, óh fardo, óh criatura,

 Que me enfesta, de tão pouco eu, tao nada, ingrata vida.

 Que se manifesta, no tempo, nos teus olhos, na tua doçura.
Poet
Enviado por Poet em 19/10/2006
Código do texto: T268158
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Poet
Campinas - São Paulo - Brasil
40 textos (3951 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 12:58)
Poet