Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

À DERIVA

À DERIVA

Nas tardes aveludadas de inverno
(sua estação preferida)
em águas luxuosas
onde a devassidão reina
você é leito que flutua
desancorado, à deriva
em confesso eretismo permanente
o desejo sempre roçando o interdito

Nesse cenário, sem destino
mais trilha, picada, que caminho
o amor é máquina de tortura



Ana Guimarães
Ana Guimarães
Enviado por Ana Guimarães em 22/10/2006
Código do texto: T270348
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Ana Guimarães
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
41 textos (3187 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 04:13)
Ana Guimarães