Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Distorção


 
Sai do foco, luz distorcida,
golpeada, atingida, morre ofendida,
regando em lágrimas o que foi um dia
a imagem que reluzia sem medos ou covardia.
 
Perde-se em sombras, assoma-se,
rende-se, dá-se por vencida.
Prostra-se subjugada por mentiras,
línguas pérfidas tiram-lhe a vida!
 
Renasce!
 
Na morte encontra sua guia,
assume novas asas,
no manto da noite se abriga, e briga...
 
Clama pelo sangue,
combate, grita,
sobrepõe-se ao destino que existiu um dia.
 
Toma as próprias rédeas,
faz-se só e na solidão só sua,
 caminha...
 
São seus os gritos antes emudecidos,
prostituídos pela vaidade que se erguia,
alimenta com o fruto de suas entranhas.
 
O tempo no espaço fenecido,
fere a semente que germina marcando a terra
com seus passos sem vida.
 
Segue no vazio, brada aos ventos, fere a luz,
semeando lamentos, é o fruto germinado da imagem
desmistificada, desnuda do próprio momento.
 
Seu é o verbo, a razão, o julgamento,
o fim que acompanha a vida na morte,
que macula a origem do tempo.
 
 
03/09/2006
Aisha
Enviado por Aisha em 23/10/2006
Código do texto: T271632
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Aisha
Jundiaí - São Paulo - Brasil, 50 anos
791 textos (35174 leituras)
1 e-livros (57 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 20:56)
Aisha