Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DESABAFOS DE AMOR=Tânia Ailene/Jorge Linhaça/Iára Pacini

Desafio poético
DESABAFOS DE AMOR
 
Tânia Ailene
Jorge Linhaça
Iára Pacini
 
Esperanças que tive no meu coraçã0
Arrasadas na tempestade,
quando volta o sol a desgraça esta feita
se foram como ventania,
 enchente de verão
 
O mundo em mim tranquei
esperanças jogadas no chão
tempestades loucas de verão
nas quais eu me encharquei
 
Com você, vi, aprendi tudo...
Hoje só recordações
tenho medo ,
já fujo de tudo e todos
 
me encharquei nos dias
que carregava as curvas nas costas,
de mão deformada ,
com tantas frases inacabadas,
tantos amores afetados
e a vida continua fria
 
Lembranças perdidas no tempo
arrastadas nas enxentes da vida
paixões sonhadas e não vividas
deixando por herança o tormento
 
 
Não tenho nada nem ninguém...
nunca coloquei para fora com propriedades....
para não te magoar.....
 
Ninguém pára o tempo...
 as pessoas continuam a dormir,
a nascer e sentir, que ninguem pára.
 
Quando falei como me sentia ...
nada fez ....nem acreditou ....
O tempo passou...
 
nada acaba com um amor a não ser o tempo,
ninguem vai ganhar sem perder,
e o tempo anda ...
e nada além do tempo
da vontade de viver o amor
 
Quando ouvi a tua voz a me explicar
dos medos e da tua solidão atroz
 foi como ver o mundo desabar
e me sentir a vítima e o algoz
 
Essa tortura, palavras amargas,
meu amor esta aqui bem guardado
só não me entrego mais...
 
sobrevivem os meus desejos,
meus temores,
sou o que amaste em delirios,
em segredo em ânsia e medo
 
Dói saber que nem dona dos meus sentidos sou...
você os percorre com tamanha intensidade
 
O tempo desgastou o nosso amor
desbastado como material excedente
Pelas palavras amargas de pura dor
que apagam aos poucos a chama ardente
 
Nos sonhos e devaneios da vida construida...
com total virtude por te amar...
sigo ao teu lado esperando que um dia ...
olhe, veja, o meu amor não quer prisão ,
só quero o teu olhar de paixão
Se nem isso és capaz de me dar
sofro e choro a solidão...
 
Na tarde cálida,na vida arida,
sou o que amaste, mesmo sem querer,
ou saber
e palavras ao vento que leva meu sofrimento
em ânsia e medo,
pois é dele que me alimento
e na grama umida ao sabor natural da emoção
faz com que tudo aconteça
ser apenas o começo
trazendo em teu bojo o meu doce alimento
 
Por você sempre serei ardente como vulcão....
pronta para explodir pelo beijo doce...
carinhos que me colocam no lugar
do desejo esperado ou do amor contido
 
Em idílios sem fim me perco nas brumas frias
Imaginando aquele olhar outrora fecundo
Trasformado agora em apenas agonia
Como se o amar fosse uma coisa de outro mundo
 
Nunca será do outro mundo....
enquanto eu existir...
não sua uma imaginação
sou a mulher que te segue e espera ...
tranformando o mundo no seu paraíso de sonhos
 
Chama que o tempo levou,
nas noites frias que agasalham meus sonhos
e que não sei onde ponho,
encho gavetas de abstratos sentimentos
que não me cabem na memoria,
talvez me ames,
melhor seria,entretanto, que fosse a esperança
que nunca simule olhos amorosos e quentes
mas que sim levem até a louca realidade da vida
 
Do outro mundo sempre será....
tudo que trago e tenho para ti...
romance, carinhos,
mãos quentes e braços que aguardam...
gestos ousados, bocas que se procuram...
 
Ó vento quente do Amor
que me invade aquece esta alma
tão cansada de caminhar
permite que este coração se torne alcaide
e governe a emoção que tanto anseia encontrar
 
Minha memória não quer passado....
só o ter você parceiro, completo,
minha vida te alcança....
para sempre meu companheiro
Nem o sol, nem as estrelas
 serviram de companhia....
quero ter você comigo, sem tantas agonias...
sangrando estou a te esperar...
Emoção só no sonhar que te amo tanto....
não me deixes perder o prumo
deste sentimento que é sonhar....
 
Vem, ó futuro, que te anseio ver viscejar
desabrochar do presente uma linda flor branca
de pétalas macias orvalhadas nas noites de luar
 
Decreta-se euforia e alegria em cada dia,
revogam-se as vontades contidas,
em sentimentos de esperança
e na contradança entre o ser e o ter
e te levar pra vida,
Este amor dizendo, sou o teu presente
 
Toque-se então a melodia do amor
contundente dancemos nos salões da vida
a melodia do amor valsemos a nossa valsa
de uma paixão dolente inebriados de afetos ,
despertos pelo sentimento avassalador
 
Orvalho este que molha minha alma...
só de pranto por te amar..
vem ser meu presente de felicidade
 com pétalas de alegrias...
Macias como as rosas num dia de sol ...
num amanhecer desabrochando
com esperança essa solidão ...
 
eu te amo na madrugada fria,
na pele que acaricia,
na droga que vicia,
na euforia em delirio,
e com toda emoção contra a razão
porque sou insana em te amar
 
Vivamos a loucura do orvalhar
do Amor desejado nas madrugadas frias
ou nas cálidas manhãs
amanheçamos o sentimento que se fez armazenado
 
enlouquecida fico a procurar...
teu cheiro a me acompanhar....
tua imagem a minha frente...
teu corpo decorado cada palmo,
 sinal ou curva nos meus pensamentos te aguardam...
nessa hora que sou tua sempre cada vez mais ..
só quero poder viver e ter você
para juntos vivermos o nosso amanhecer
 
solidão que me sinto de repente,
e o tempo passa e nós ficamos, se amei,
Sofri, chorei, nem me lembro mais
mas sinto de repente que uma luz surgiu,
apagou o vazio ,e consigo aparar as dores,
pois na vida,nada é o todo,e o que me resta,
o vento vai levando em forma de saudades
e a deixa perdida na solidão de minha eternidade
 
Te amo! Te amo! te amo!...
agora é só chegar e encontrar
 tanta saudade do seu corpo...
para começar uma nova era de paixão
com amor total ...
Em toda minha realidade....
Venha se eternizar nesse corpo teu...



formatação RFS
 
 

Tânia Ailene Nua Poesia
Enviado por Tânia Ailene Nua Poesia em 24/10/2006
Código do texto: T272722
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Tânia Ailene Nua Poesia
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
886 textos (30278 leituras)
28 áudios (1362 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 00:10)
Tânia Ailene Nua Poesia