Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Meus versos tão meus


 
 
Canto meus versos amarrados entre dentes,
amargo sabor sobre a língua  que beijou o amor,
foi de paz o sonho que sonhei no nu do que sou,
despindo fantasias entre uma madrugada e outra
até vestir-me do sol que o meu corpo tocou.
 
 
Estou entre o tudo e o nada,
o pouso da semente que pelos dedos do vento voou,
vejo as pedras  repousando à margem do caminho,
inertes, guardam pra  si os sonhos inacabados em pó,
pensam-se, não falam, apenas esperam a chegada do destino.
 
 
Meu corpo ainda sonha com o azul do amor
nas mãos que desenham o destino,
no desejo em versos vivos rimando como cordel,
as nuvens são de algodão que como as pedras
repousam coladas em simples folha de papel.
 
 
Canto meus versos que ecoam tristes na distância de mim,
nas horas de um tempo que meu corpo não apagou,
calo na noite que minha alma abraçou e assim como a pedra,
perco-me do que sou, no olhar que deixei partir,
repouso meu pranto às margens do mesmo caminho onde vi
o sonho feito pó na imagem do vento que meu corpo beijou.
 
 
27/09/2006
Aisha
Enviado por Aisha em 30/10/2006
Código do texto: T277621
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Aisha
Jundiaí - São Paulo - Brasil, 50 anos
791 textos (35174 leituras)
1 e-livros (57 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 10:20)
Aisha