Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema 0867 - Vício



 

 

O metal entra a pele rija,

sem sentido,

o grito é desequilibrado,

ansioso aspiro,

respiro profundo o alivio.

 

 

Dilatam-se as pupilas,

o mundo se arredonda,

o céu abre-se em buracos

mostrando meus ontens,

outros dias virão.

 

 

Mal noto que estou vivo,

estranhamente vivo,

a sensação é de voar

em uma leveza química,

impura aos dedos trêmulos.

 

 

Dobro velhas esquinas,

os pés não reconhecem o chão,

sou pedaço de terra que volta,

caminho lento, um dia de cada vez,

em cada dose simples sem gozo.

 

 

Meu futuro está embrulhado

em um pedaço de papel comum,

atravesso as estradas,

corto com faca a pele suja,

jorram pedaços de sonhos e o destino.

 

 

Retiro o metal da carne,

o sonho recomeça,

a viagem, o céu,

apenas ilusões de minutos,

e volto a morrer, até outra dose...

 

 

31/10/2006
Caio Lucas
Enviado por Caio Lucas em 31/10/2006
Código do texto: T278559
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Caio Lucas
São Paulo - São Paulo - Brasil, 68 anos
4429 textos (116251 leituras)
1 e-livros (166 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 19:54)
Caio Lucas