Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
MAIS UM POEMA INEVITÁVEL DE AMOR

Não sofro de amor,
sofro pela ausência do amor.
Os dias ficam cinzentos,
parece não ter fim o momento
em que te perco no olhar.
Saio pela cidade perguntando:
onde estás?
E a pergunta se perde
nas rachaduras da calçada.

Algum cientista escreveu
que essa sensação de prazer
que sinto ao te ver
é decorrente de coisas
que acontecem no cérebro:
dopaminas, adrenalinas, gasolinas,
sei lá!
Os cientistas tentam me convencer
que, ao te ver, é como se tivesse
tomado algum tipo de metanfetamina,
hayuasca, peyote, LSD, sei lá!
Pra mim tanto faz
se é um engodo da mente
ou mera ilusão:
ao te ver, o dia clareia!

Que sejam a alegria e a tristeza
conseqüências de choques químicos
no interior da cabeça!
Não estou nem aí!

Se é assim:
meu amor é um vício
e quero morrer de overdose!

(Poetas, seresteiros, namorados, correi!)
Francisco C
Enviado por Francisco C em 01/11/2006
Reeditado em 04/12/2006
Código do texto: T279116

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.franciscocampos.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Francisco C
Porto Velho - Rondônia - Brasil, 48 anos
363 textos (25675 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 04:07)
Francisco C